Entrevistamos o músico Felipe de Vas, uma das nossas melhores descobertas de 2016

A gente já falou dele aqui, descobrimos Felipe de Vas por sugestão e ficamos instantaneamente viciados em sua voz e suas letras.

Dono de uma voz singular e uma sonoridade que passeia pelo folk, indie e pop, o cantor e compositor concedeu ao Pausa Dramática uma entrevista exclusiva e bem humorada por email onde falou de influências, carreira, do álbum Gravidade e de futuro. Confira abaixo:

felipe de vas2

Pausa Dramática – Você tem alguma formação em música? Antes de fazer música o que você fazia?

Minha formação em música é na safadeza mesmo, aprendi a tocar porque tinha uma empregada maravilhosa que adorava Roberto Carlos, ela comprava os livrinhos e eu tocava pra ela cantar. Mas, desde cedo, escrevia muita coisa, concorri com poesias nacionalmente aos 13 anos e sempre me vi nessa função. Talvez por isso nunca me vi tanto como “músico”, me via sempre como compositor metido a poeta que cantava as letras que compunha, era mais cômodo. Antes de tratar a música profissionalmente, trabalhei como jornalista e como assistente jurídico, minhas duas respectivas faculdades incompletas, Jornalismo e Direito. Incompletas justamente porque a música, e a poesia intrínseca nela, sempre foi meu brilho nos olhos.

– A gente sabe que sobreviver de música nem sempre é fácil. Você tem outra carreira?

Hoje, arrisquei tudo pra tentar viver de música. Faz nem dois meses que larguei o meu trabalho no escritório jurídico da minha família (em Maceió-AL) e vim morar na zona leste paulistana com uns amigos músicos. Aqui tudo é na raça, quatro sonhadores numa casa. Participei de vários debates em que sempre entrávamos nessa verdade latente: O artista não vive de arte, muitas vezes, porque não arrisca viver de arte. Tem sempre um emprego “fixo” e tá sempre esperando algo surgir e o manter ainda mais esperando, musicalmente falando. Decidi que sou novo e vou me jogar em queda livre nesse mundo que sempre sonhei em participar ativamente.

felipe de vas3

– No site eu comparei seu trabalho com Daniel Powter e James Blunt. Você já tinha ouvido de alguém estas e outras comparações? Quais são as suas maiores influências? Em quem você se inspira?

É sempre surpreendente as comparações que as pessoas fazem com minha música. Já me falaram do James Blunt, nunca do Daniel Powter. Já citaram Clarice Falcão, Tiago Iorc (muito), Marcelo Camelo, Of Monsters and Men, Mumford and Sons, vários artistas meio “Indie”. As minhas influências musicais, como da maioria dos seres vivos no mundo moderno, são completamente inconstantes, vivemos uma síndrome de pensamentos acelerados que desejam o consumo de tudo ao mesmo tempo. Mas, para o CD, especificamente: Beirut, Sondre Lerche, Coldplay, The Lumineers. Poderia falar umas influências estranhas que ninguém conhece, como toda banda faz, mas odeio parecer muito cult. Falar de inspiração é sempre muito etéreo, muito divagador, porque absolutamente tudo pode ser uma fonte de inspiração, acho que se inspirar é um estado de desejo e de ótica. Se você quer se inspirar, se você se predispõe a ver o mundo de outra forma e busca palavras que contextualizem isso, você se inspira! Mas, o que mais dá suporte pra eu poder me inspirar é ler um cara chamado Fernando Pessoa! Escutando sons instrumentais como Mogwai, SoulJazz Orchestra, Yann Tiersen…

– E as suas letras? São inspiradas em quê?

As letras são, geralmente, espectros emocionais específicos. Sempre tentando enxergar o óbvio da forma menos óbvia possível. Numa situação palpável e, às vezes, até bem descritiva. Se você escutar bem (escutar bem requer vontade, às vezes até aptidão), vai imaginar um local, vai sentir um cheiro, criará empatia. Empatia é o que rege toda a boa música, pra mim.

felipe de vas

– Você faz um pop indie suave, por que esse estilo? Você já cantou outros estilos musicais?

Eu falo que toco “pop estranho” haha. Eu nunca me moldei a tocar esse pop indie, mas é o que minha voz “suave” tem pra oferecer, juntamente com as letras que predisponho a escrever. A gente vai tentando de tudo na vida e vai achando um caminho prático pras coisas, o meu caminho foi bem natural. Cantei rock durante um bom tempo mas minha voz e eu nos sentimos muitíssimos bem nesse tom atual pois as letras são mais romantizadas e não ficaria muito bem gritando. Mas isso não quer dizer que não experimentarei outros timbres e tons, vai depender tudo da letra e da melodia que ela pedir! Acho massa quem grita, quem deixa a voz nua e crua pra o mundo ouvir, mas se eu gritar fico rouco! Invejo demais a Elza Soares haha.

– Como foi o início do trabalho com a música?

Assim como quase todo início de carreira musical, foi conturbado. “Tocar de vez em quando” é bem diferente de ter uma “carreira musical”. Quando a gente percebe que esse, de fato, é o caminho a ser seguido, o mundo dá uma volta na sua cabeça e você percebe que vai viver marginalizado por muito tempo e vai sofrer muito preconceito, inclusive familiar. Mas é tão prazeroso, tão prazeroso, que você desvirtua o preconceito (até o preconceito consigo próprio) só no seu sorriso coberto de sinceridade e acolhimento, só quem sabe dar esse sorriso é quem ama o que faz. Eu tive sorte de, já no começo, ter aparecido em uma grande emissora da minha cidade e conseguir o apoio de muita gente influente culturalmente. O meu primeiro CD foi o Wado e o Dinho (Figueroas) que produziram, isso é honra demaaais!

– Quais os planos pro futuro?

Vou lançar ja já o meu primeiro clipe do CD “Gravidade”, da música “Gravidade”, e fazer o show de lançamento do clipe. Planos para o futuro é lançar o máximo de clipes e CDs possíveis, pra poder tocar o máximo de vezes possíveis pra poder abraçar o máximo de fãs possíveis. Porque não tem dengo melhor no mundo do que de mãe e de fã. 

 

Anúncios

3 comentários sobre “Entrevistamos o músico Felipe de Vas, uma das nossas melhores descobertas de 2016

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s