Explicando ‘Vingadores: Ultimato’ e a Teoria Buzz Lightyear (COM SPOILERS)

Por mais que o Hulk e %#$@&* tenham tentado explicar, pra muita gente uma teoria do filme pode ser difícil de entender.

O site da revista Entertainment Weekly explicou e nós traduzimos agora o que gostamos de chamar de “Teoria Buzz Lightyear“.

Confira nosso review de Ultimato (COM SPOILERS)

ATENÇÃO: SPOILERS DEPOIS DO LOKI

Se o Thanos de 2014 virar pó no futuro, então ele não estaria lá para estalar os dedos em 2018, certo?

Mas se ele não estiver lá pra estalar os dedos, então os heróis nunca precisariam ir na missão que resultaria na morte do Thanos de 2014 – o que significa que ele sobrevive e estala os dedos no fim das contas.

Sim, viagens no tempo são complicadas e este é um dos principais problemas: a possibilidade de um looping de lógica sem fim, duplicando e desfazendo as coisas infinitamente.

É justamente por isso que o plano dos Vingadores não é voltar no tempo. Basicamente, trata-se de um salto dimensional. Eles não vão para um TEMPO diferente, e sim para uma DIMENSÃO diferente.

De acordo com o roteiro de Christopher Markus e Stephen McFeely, você não pode voltar no tempo em sua própria dimensão. Se o fizer, vai acabar com versões mais jovens ou mais velhas de você mesmo (como acontece com o Homem-Formiga).

Pense na coisa como em um filme. Ele existe ali, de forma contínua e imutável e você não pode VOLTAR seu próprio filme enquanto ele se desenvolve pra frente (no tempo). Mas, você pode “saltar” pra fora do seu bluray para um aparelho rodando outro disco e aterrissar em qualquer ponto daquela OUTRA história.

É isso que a Anciã explica a Bruce Banner: que remover as joias irá, basicamente, arruinar a linha do tempo dela, o SEU filme, o SEU bluray.

É por isso que ele promete devolver as joias, para causar o mínimo de danos a estes outros mundos. Se eles conseguirem fazer isso, aquelas linhas temporais ramificadas se realinham na linha do tempo central – vamos chamar esta de Linha Principal – e é como se as joias nunca tivessem sido retiradas.

Quando os três times de heróis “voltam no tempo”, na verdade eles estão saltando para outras “exibições” do filme fora da Linha Principal.

Quando o Thanos de 2014 – o mesmo do primeiro Guardiões da Galáxia – percebe o plano e viaja para o futuro cinco anos depois do estalar de dedos, é um Thanos diferente.

Ele pode morrer ali sem criar um paradoxo porque ele não é “do passado”, mas “um visitante de outra cópia do filme”.

É por isso que Nebula pode matar sua versão 2014 sem desaparecer “no futuro”. Ela não está matando sua versão passado, mas uma outra Nebula de um outro bluray.

Pra explicar de uma forma mais clara (sim, é bastante complicado), pense em Toy Story, quando Buzz Lightyear encontra outro boneco do Buzz Lightyear. É uma versão sua, nem do passado nem do futuro, e diferente do Buzz que conhecemos.

Quando o Capitão América volta para devolver as joias ele fica, não no passado, mas em uma realidade diferente. Basicamente vivendo em outra cópia do filme. É mais uma questão de “realidades paralelas” que de “viagem no tempo”.

3 comentários

Deixe uma resposta para Zoe Saldana: a rainha das bilheterias – Pausa Dramática Cultura Pop Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s