Resenha do site: Rocketman

Todo mundo conhece Elton John, mas poucos conhecem sua história. Agora todos podem conhecer também o homem por trás de um dos maiores ícones da música mundial.

Não fosse o fato de ser uma cinebiografia de uma das celebridades mais conhecidas do mundo, Rocketman seria um filme sobre fazer as pazes com o próprio passado. Essa é a mensagem que fica no final de quase duas horas de projeção, quando ouvimos (e entendemos o motivo) a nova música feita exclusivamente para o filme: (I’m Gonna) Love Me Again. No fim das contas, o longa é sobre isso: aprender a se amar de novo. Tudo isso, claro, embalado por canções que amamos e por números musicais que enchem os olhos. De cores e de lágrimas.

Dirigido por Dexter Fletcher (o responsável por terminar Bohemian Rhapsody após a saída de Bryan Singer), Rocketman não esconde a paixão de seu realizador pelos musicais. Sucessos como I Want Love ou Your Song ganham outro teor ao ilustrar momentos-chave da vida de Reginald Dwight (nome verdadeiro de Elton John) e é impossível segurar a emoção. Outros, como Saturday Night ou The Bitch is Back viram números musicais deslumbrantes, que remetem a longas como Amor Sublime Amor ou Hello Dolly.

Da infância com pais que pouco se importavam com ele ao sucesso repleto de sexo, álcool e drogas, o filme é contado em forma de lembranças por um Elton John em uma clínica de reabilitação. O cantor acompanhou a produção de perto e aprovou o resultado. Rocketman não poupa polêmica: das festas ao relacionamento de Elton com seu agente John Reid (Richard Madden, de Cinderella) e a parceria imbatível com Bernie Taupin (Jamie Bell, de Billy Elliot), o filme conta detalhes que podem até chocar o público mais inocente, mas que nunca foram realmente escondidos.

Quem incorpora o astro é talvez o melhor ator de sua geração no cinema no momento: Taron Egerton. Vindo do sucesso de Kingsman, Taron se mostra absolutamente confortável como Elton John. Em momento algum tenta imitar ou se assemelhar ao astro, mas cria uma interpretação pessoal do cantor, emprestando alguns trejeitos e quase criando um novo Elton John, que em momento algum, porém, se afasta do original. Taron canta, se exalta e brilha como Elton John. Brilhar, aliás, talvez seja pouco para expressar o talento (e o figurino) que Taron Egerton mostra no filme.

Mais do que uma cinebiografia ou um musical, Rocketman é um filme sobre voltar a se amar. E hoje sabemos que Elton John conseguiu.

3 comentários

Deixe uma resposta para Boy George também vai ganhar cinebiografia – Pausa Dramática Cultura Pop Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s