Família Dinossauros chega ao Disney+ em agosto. Veja como era feita, como foi o final e conheça os dubladores brasileiros

*O Pausa Dramática é um site independente sem vínculos ou patrocínios. Nos ajude a permanecer no ar: compartilhe este post em suas redes e siga nossos perfis no InstagramFacebook e Twitter.

Essa é pra deixar os nostálgicos felizes da vida!

As quatro temporadas de Família Dinossauros chegam ao Disney+ no dia 18 de agosto.

Popularizada por sua exibição do canal da Globo a partir do ano de 1992, a série produzida pela Disney é uma sátira da sociedade e dos costumes das famílias de classe media, seguindo a trama que se passa 60.000.003 a.C. em Pangea, centrada na família Sauro, e trata de temas como ambientalismo, direitos das mulheres, espécies ameaçadas, entre muitos outros.

LEIA MAIS

Saiba mais sobre a série

Família Dinossauro estreou nos Estados Unidos no dia 26 de abril de 1991, após uma hesitação de anos e era produzida pela Disney em parceria com Henson. Nesse meio-tempo, estreou Os Simpsons — cujo conceito é parecidíssimo! É impossível não ver o Homer em Dino. Fran também se parece muito com Margie, e Bob e Charlene equivalem a Bart e Lisa. Por fim, temos Baby, que se destaca como um personagem similar à pequena Maggie.

Transmitida nas manhãs de domingo na Rede Globo nos anos 90, a série ainda polemizou com o final triste que deixava claro que os dinossauros tinham sido extintos.

A produção foi um fenômeno no Brasil, com os bonecos sendo sucesso de vendas e o bordão “Não é a mamãe!” repetido à exaustão.

A partir do dia 18 poderemos rever Dino, Fran, Darlene, Robbie, Roy e, claro, Baby!

Veja como a série era filmada:

familia dinossauro

Interpretação mecânica

Os atores vestiam uma “máscara-capacete” feita de espuma de látex, com crânio de fibra de vidro. Ela continha cerca de 26 servomotores bem pequenos, responsáveis por mover olhos, boca, sobrancelhas, testa e outros recursos. Combinados, eles permitiam vários tipos de expressões faciais

Positivo operante!

Além disso, o “cabeção” ainda tinha espaço para um microfone, que captava a voz real do ator, e um fone de ouvido, para que ele recebesse ordens do diretor. A fantasia completa era tão complexa que cada uma levou até 16 semanas para ser produzida!

Atrás das câmeras

Ao ator cabia apenas dizer as falas e andar pelo cenário. As expressões faciais eram controladas a distância, com uma luva especial plugada a um computador. Cada movimento que o marionetista fazia com a luva era interpretado por um programa e enviado, via rádio, à máscara.

Passado e futuro

A cada quatro semanas de gravação, era preciso tirar uma de folga para fazer a manutenção do sistema. “Era uma tecnologia muito inovadora para a época”, afirma Peter Brooke, da Jim Henson’s Creature Shop, empresa responsável. “E ainda pudemos aprimorá-la ao longo dos quatro anos da série”.

O Baby:

Um dos maiores destaques de Família Dinossauro era Baby, o bebê que infernizava o pai, Dino, e provocava os irmãos adolescentes, Charlene e Bobby. A dona da voz do Baby na versão brasileira é a dubladora Marisa Leal, que tinha 29 anos à época.

– Esse trabalho me trouxe muitos frutos profissionais. Tenho saudade. Até hoje os amigos usam os bordões para me zoar. Olham para a minha cara e mandam: ‘Não é a mamãe!’ – conta ela, aos risos. – Não sou reconhecida na rua pelo Baby porque era uma voz muito caricata. Só usei a mesma voz para fazer a Maria (de João e Maria) no longa de animação ‘Deu a louca na Chapeuzinho 2’ (2011).

Mais do que impulsionar sua carreira, Marisa, que hoje é diretora de dublagem, acredita que a série deu mais visibilidade à dublagem nacional.

– Começaram a olhar para os profissionais com outros olhos, temos até fã-clubes – diz ela, que dublou a versão brasileira da Ariel de “A pequena sereia” e, mais recentemente, a personagem de Lupita Amondi Nyong’o, de “12 anos de escravidão”.

montagem_baby_ok

Saiba como é o final trágico da série:

O fim de uma série traz bastante tristeza para pessoas que à acompanham. Séries como Friends, que tem milhões de fãs, quando chegam no fim e até mesmo com um final feliz deixam seus fãs aos prantos. Família Dinossauro não é diferente, a série deixou seu publico muito triste com seu fim mas, a série ter chegado ao fim não foi o simples motivo para a reação dos fãs e sim o desfecho que é a série tomou. A série foi cancelada em 1994 e os escritores da série resolveram dar o “pior” final possível para a série. Dino, que é o protagonista da série, trabalha em uma empresa que causou a extinção de uma espécie de besouros. Esses insetos eram responsáveis pelo controle de uma planta parasita que poderia acabar com toda a flora do mundo. Dino, para tentar desfazer o erro da empresa, joga veneno para matar essa planta e acaba matando toda as plantas do mundo.Em uma nova tentativa de arrumar o novo erro, Dino, faz com que vulcões criem uma camada de nuvens vulcânicas em todo mundo iniciando assim, a era glacial e acabando com toda a vida no planeta. A cena final do episódio mostra a família principal se despedindo um do outro e apenas esperando serem congelados até a morte. O episódio foi considerado tão forte que chegou a ser proibido em alguns países.

Conheça os dubladores brasileiros da série:

Dino da Silva Sauro 

José Santacruz Fran Sinclair

Maria Helena Pader
Baby

Marisa LealCharlene

Miriam Ficher Bobby

José Leonardo
Sr. Richfield

Paulo Flores
Roy

Roberto Macedo
Vovó Zilda

Glória Ladany

Um comentário em “Família Dinossauros chega ao Disney+ em agosto. Veja como era feita, como foi o final e conheça os dubladores brasileiros

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: