Relatório desenvolvido pela USP aponta mais de 40 falhas em políticas públicas para população LGBT+

*O Pausa Dramática é um site independente sem vínculos ou patrocínios. Nos ajude a permanecer no ar: compartilhe este post em suas redes e siga nossos perfis no Instagram, Facebook e Twitter. Segundo o relatório LGBTQIA+ em pauta, mesmo com o aumento no número de casos de violência LGBTfóbica no Brasil, a subnotificação ainda é alta. O relatório destaca que... Continuar Lendo →

Prefeitura de Curitiba lança cartilha da Diversidade Sexual

A Assessoria de Direitos Humanos – Políticas para Diversidade Sexual da Prefeitura de Curitiba lançou na última segunda-feira (17/5) a cartilha “Diversidade Sexual”. O material foi disponibilizado na data em que se comemora o Dia Internacional de Combate à LGBTfobia, 17 de maio.  O material abrange a temática LGBTI+, direitos e legislação, preconceito, discriminação, locais de denúncia... Continuar Lendo →

Billboard pediu e Pabllo Vittar escreve carta para comunidade LGBT

No Mês do Orgulho LGBT, a revista Billboard convidou um time de famosos para escrever uma carta de amor para a comunidade LGBT. Entre as estrelas convocadas, estão Barbra Streisand, Adam Lambert, Ariana Grande, Bebe Rexha, Céline Dion e dezenas de nomes da cultura pop. A carta desta quarta-feira (27) foi escrita por Pabllo Vittar. A... Continuar Lendo →

TODXS é o aplicativo que ajuda a denunciar a violência contra LGBTI+ no Brasil

Criado por Italo Alves, Willian Mallman e Duda Carvalho, o projeto TODXS é um aplicativo que tem como intuito mapear a LGBTfobia no Brasil, trazendo visibilidade para casos que não tomam as proporções que deveriam. Tanto midiáticas, como policiais.Em 2018, o app, criado a partir do funcionamento da startup com o mesmo nome, foi o... Continuar Lendo →

Carta aberta de um professor em resposta à Ministra Luislinda Valois

Sra. Ministra de Direitos Humanos, Após sua declaração de repercussão extraordinária nesta semana, compadeci-me de sua causa. A senhora tem total razão ao declarar que o trabalho não remunerado possui caráter escravo, no entanto, segundo as suas próprias alegações, existe uma remuneração de quase R$ 3.000,00 por seus serviços como Ministra de Direitos Humanos, o... Continuar Lendo →

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: