Resenha do blog – Ignorados Oscar edition: Hitchcock

anthony-hopkins-james-darcy-and-scarlett-johansson-in-hitchcock-2012-movie-imageAnthony Hopkins, Scarlet Johansson e James D’Arcy nas gravações
Algumas coisas que acontecem no Oscar eu realmente não entendo. Por exemplo: como Avatar teve indicação pra melhor filme? Tá, é bacana, visualmente falando, mas o roteiro nulo não o caracteriza como um filme digno de estar entre os melhores. Ok. Este ano outra grande interrogação foi plantada na minha cabeça: como é que Hitchcock foi completamente ignorado pela Academia?? Tá, completamente não, teve indicação na categoria de maquiagem (e vai perder pra Os Miseráveis)…
Anthony Hopkins e Alfred Hitchcock
Simplesmente o melhor filme de 2012 na minha opinião. Ainda vai estrear por aqui em fevereiro, mas nos EUA saiu nos cinemas no inicio de dezembro. Na tela Anthony Hopkins é ninguém mais ninguém menos que Alfred Hitchcock. Mestre do suspense com mais de 50 filmes na manga, o diretor tornou-se um ícone até hoje. O filme conta os bastidores das gravações de seu maior sucesso: Psicose. Da escolha do roteiro e recusa do estúdio em financiar passando por rápidas demonstrações da personalidade forte do diretor e do papel importante que sua esposa teve na sua carreira.
Scarlet Johansson e Janet Leigh
Não são poucos os pontos positivos do filme: as atuações – James D’Arcy está impressionante como Anthony Perkins (ator que interpretou Norman Bates em Psicose) – e Anthony Hopkins tão magnífico quanto em O Silêncio dos Inocentes (que lhe rendeu Oscar de melhor ator) na caracterização impressionante de Alfred Hitchcock. Helen Mirren como a esposa do diretor, Scarlet Johansson lindíssima como Janet Leigh (estrela de Psicose), Toni Collette como sua secretária, Michael Stuhbarg como seu agente. Todos impecáveis. Com exceção de Jessica Biel (de quem não se pode mesmo esperar grande atuação) e Danny Huston (o mesmo de sempre), que não chegam a prejudicar o todo, o elenco reafirma que o filme beira a obra prima.
James D’Arcy e Anthony Perkins
Mostrando um pouco da própria psicose do diretor, sua fixação pelas “Hitchcock blondies”, Hopkins vai desenhando a personalidade de Hitchcock aos poucos: seu humor afiado, sua forte presença, seus silêncios e sua crença em si mesmo. A ponto de por vezes se esquecer da própria esposa e parceira de tão focado no trabalho.
Jessica Biel e Vera Miles
Se a princípio, como mostra o filme, a Paramount recusou Psicose, logo depois de sua estreia soube ter um tesouro nas mãos. O que hoje é o maior filme do mestre do suspense, começou com repulsa pela história sangrenta baseada em um livro que contava fatos reais (bem amenizados na tela). O 47° filme de Alfred Hitchcock veio logo após fracassos como Um Corpo Que Cai e sucessos como Intriga Internacional. Com ressalvas da censura da época o filme estreou para entrar para a história com a cena mais clássica de todos os tempos no chuveiro.
Impecável, bem editado, trilha ótima de Danny Elfman, a primeira incursão na direção do roteirista Sacha Gervasi (do ótimo O Terminal) entrega sim um filme que merecia indicações nas categorias de ator, ator coadjuvante, atriz, atriz coadjuvante, roteiro, direção, trilha e filme. Pelo menos. Mas, vai saber o que se passa na cabeça dos membros da Academia de Hollywood… o próprio Hitchcock nunca ganhou um Oscar (apesar de indicado 5 vezes, inclusive por Psicose). Somente um prêmio de consolação pelo conjunto da obra. Vai entender…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: