Resenha do site – Dead 7

poster-dead7Junte alguns ex-membros dos Backstreet Boys, mais alguns ex-membros do NSync e mais alguns membros de outras boybands dos anos 90. O que você tem? Sim! Um filme de faroeste com zumbis! Ué, como assim?

Pois é. Isso é Dead 7. Um filme produzido pelo canal SyFy e pelos mesmos produtores de Sharknado que mistura faroeste e invasão de mortos-vivos. A história de Nick Carter (ex-BSB) com roteiro de Sawyer Perry parte da premissa que, após um apocalipse zumbi que dizimou parte da humanidade, o mundo voltou ao sistema de faroeste, com xerifes e cowboys errantes pelos desertos americanos. Neste universo, pequenos povoados lutam para sobreviver enquanto uma espécie de feiticeira comanda ataques zumbis para conquistar todo o território possível ao seu redor. Quando um prefeito de um destes povoados decide tomar uma atitude, convoca sete pistoleiros para lutar contra os zumbis e esta nova ordem que pretende se instalar.

Sim, estamos falando de um filme de baixíssimo orçamento que resvala constantemente no filme B, mas que ainda assim tem seus momentos de diversão.

Claro que não haveria motivos para ver o filme, não fosse a nostalgia de ver ex atros das boybands do passado lutando contra zumbis e, neste ponto, o longa não decepciona. Nick Carter, A.J. McLean e Howie Dorough (dos Backstreet Boys), Joey Fatone e Chris Kirkpatrick (do NSync) e Jeff Timmons (do 98 Degrees) se juntam a outros atores menos conhecidos e até a Jon Secada para compor uma farsa com ares Tarantinescos que rende boas piadas e bons momentos de briga.

Se as atuações não são lá grande coisa (e nem poderíamos esperar mais), os efeitos e as ambientações convencem, a produção é bem feita e a fotografia corretinha. Com personagens bem delineados, ainda que estereotipados (como em qualquer faroeste, convenhamos), quem mais surpreende entre calvícies despontantes e barriguinhas salientes, é o outrora bad boy A.J. Seu vilão louco tem toques do Coringa e uma risada rouca perturbadora. O cowboy beberrão e trôpego de Joey Fatone também não deixa muito a desejar em meio às atuações sofríveis de Carter, Kirkpatrick ou Timmons.

Com a premissa de que o faroeste é pós nosso tempo atual, fica a liberdade para todo tipo de loucura criativa, como mocinhas de corpete e saia jeans e cowboys de tênis, moletom e fone de ouvido. Sim, se trata de uma farsa, às vezes parece só uma brincadeira entre amigos. Alguns diálogos parecem ter saído de um filme pornô. Mas ei, vale a nostalgia. Vale o tom de encontro e justamente de “não se levar a sério” que tantos filmes pecam em disfarçar. Todos ali sabem que não estão fazendo um filme para ganhar prêmios ou que vai virar um blockbuster. Mas é sempre bom lembrar: Sharknado, em todo seu absurdo, já está no quinto filme.

Dead 7 tem um ritmo bacana, uma história convincente, uma ou outra boa atuação, sacadas extremamente divertidas (como o “cowboy ninja” ou o latino que abusa do estereótipo xingando a todos em espanhol), efeitos bem executados e um ápice que muitos filmes de ação não conseguem ter. Consegue ser melhor que algusn episódios de The Walking Dead? Com certeza. É uma obra prima? Não passa nem perto. É ruim? Quase. Mas já vimos muitos filmes caros e com pedigree que são bem piores.

(e no final, ainda ganhamos uma canção inédita cantada por todos eles!)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s