Produtor musical Same K, que já escreveu para artistas como Armin van Buuren e Above & Beyond, assina trilha do longa ‘Nos Becos de São Francisco’

O filme, do diretor brasileiro Thales Corrêa e que está disponível no NOW, aborda o universo das relações LGBTQ e foi lançado nos Estados Unidos em setembro ocupando o primeiro lugar entre os mais vendidos da TLA Video Store (loja online de conteúdo audiovisual) e o quinto lugar da Amazon

“Um filme ousado exige uma trilha sonora ousada”, é assim que o produtor musical e DJ Same K define a trilha assinada por ele no longa ‘Nos Becos de São Francisco’, do cineasta brasileiro Thales Corrêa e que trata de forma bem-humorada uma dinâmica comum entre a comunidade LGBTQ.  Same K, que escreve músicas para gigantes internacionais da música eletrônica como Armin van Buuren e Above & Beyond, foi escolhido pelo diretor por suas faixas progressivas de house msuic:

“Grande parte do filme se passa dentro de boates e clubes onde se toca muita música eletrônica e que é uma coisa muito presente no universo LGBTQ+. Quando estávamos filmando, sabíamos que as nossas músicas deveriam ser algo que tivesse um som que soasse mais natural, e nada muito cinematográfico. Então no nosso filme a gente queria ter um DJ de verdade participando do processo de criação da trilha e foi a parceria perfeita”, explica Thales.

O filme está disponível aqui no Brasil através do NOW e foi lançado nos Estados Unidos em setembro ocupando o primeiro lugar entre os mais vendidos da TLA Video Store (loja online de conteúdo audiovisual) e o quinto lugar da Amazon. A trilha sonora original composta por Same K, conta com participações especiais de cantores como Diimond Meeks, Terrell Carter, do elenco de Empire, série musical de sucesso da FOX, e também do brasileiro Thiago Muller, filho do ator Anderson Muller, e outros.

Para o diretor, a trilha de “Nos Becos de São Francisco” pode ser explicada como um house pop colorido, que foi se estendendo para horizontes de diferentes estilos musicais, como R&B, Pop a sons brasileiros:

“O próprio filme se desdobra em gênero, passando por comedia, lidando com coisas mais sérias e chegando a ser dramático em alguns momentos, e a trilha sonora segue essa rota. No início o Same K ia fazer apenas as músicas das baladas e eu iria fazer o resto das músicas com outros compositores de cinema. Mas ele quis pegar o desafio de escrever a partitura inteira para o filme, até os instrumentais e cenas dramáticas. Gostei da sua bravura e ousadia e topei. Eu amei o resultado”.

Thales conta ainda como a trilha sonora é um recurso sensorial que ajuda a levar o público para o universo no qual a história está sendo contada e de sua importância em criar a identidade com o filme:

“A trilha sonora reforça a sensação das cenas ajudando a estabelecer o clima e o tom do filme como um todo. A música é capaz de transcrever um sentimento imediatamente com apenas alguns segundos de uma melodia. O que você sente vai definir a identidade do filme. No caso de ‘Nos becos de São Francisco’ é ainda mais importante, por grande parte do filme se passar dentro de uma boate. Para mim é difícil pensar em cinema sem música. Quando estou escrevendo roteiro, músicas veem na minha cabeça involuntariamente, a música faz parte das nossas vidas de um jeito ou de outro.  Mesmo que você não seja um ávido ouvinte de música, certamente você tem uma conexão com ela. Uma melodia que pode lembrá-lo de sua infância, ou quando estava brincando com seus amigos da faculdade, ou aquela mais lenta que o ajudou a superar um coração partido. Essas conexões são trazidas para a tela costurando uma cena à outra através de canções.”

O álbum completo do filme foi lançado em todas as plataformas digitais, aumentando assim alcance do longa e conectando-se a um público mais amplo. Para conferir acesse: https://fanlink.to/BSPL

“Nos Becos de São Francisco”

Lançado primeiro nos Estados Unidos, o longa-metragem sob roteiro, direção e atuação de Thales Corrêa é um filme que trata de forma bem-humorada uma dinâmica comum entre a comunidade LGBTQ, de acordo com o diretor. Em “Nos Becos de São Francisco”, Thales vive Leo, um brasileiro que reúne um grupo de amigos para buscar, nas frenéticas noites de São Francisco, uma pessoa que ele conheceu em um site de relacionamentos gay. A produção tem como colorista o renomado Edo Brizio (Kong: Ilha da Caveira, Lego Batman) e o produtor de música e DJ Same K.

A ideia do filme partiu de uma conversa com Izzy Palazzini (que também compõe o elenco). Ambos brasileiros, imigrantes e gays, quiseram produzir algo que mostrasse de certa forma a realidade, com conflitos internos e externos que os amigos passavam por escolher determinado estilo de vida. “A ideia era sobre ficar vulnerável e se expor. O filme se trata de aprender a ouvir sua intuição”, conta.

Repleto de sinceridade e com a produção de excelência garantida por Thales, “Nos Becos de São Francisco” ganhou diversas premiações, sendo elas: Prêmio da Audiência (Audience Award) da qFlix Philadelphia, Melhor Filme LGBTQ+, da IFS Los Angeles Film Festival e Melhor Primeiro Filme, da QCinema – Texas. Além disso, concorreu a 5 diferentes premiações, sendo elas Melhor Filme do Festival, IFS Los Angeles Film Festival; Seleção Oficial – San Francisco Latino Film Festival; Seleção Oficial – Outflix – Tennessee; Seleção Oficial – Blow-up International Film Festival – Chicago e é semifinalista no jellyFEST – Los Angeles.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: