Instituto de Cinema fará Lives com representantes LGBTQIA+

No mês do Orgulho LGBTQI+, o Instituto de Cinema – InC – faz duas séries de lives. A primeira acontece dia 29/06 às 18h, com a atriz, diretora e produtora cultural Leona Jhovs e Ceo da Lavanda Films Yan Della Torre. A segunda live, acontece dia 30/06 às 19h, com a atriz e fundadora do Coletivo T Renata Carvalho e  o mestre em cinema e professor de Cinema Queer Bruno Carmelo.  

Live – Representatividade LGBTQIA+ no audiovisual

View this post on Instagram

No dia 29/06 às 18h, o Instituto de Cinema vai promover um bate papo com a produtora cultural Leona Jhovs, através de uma Live no Instagram da escola! A convidada desta Live é mulher transfeminista e cineasta, e foi especialmente chamada para falar sobre a representatividade LGBTQIA+ no audiovisual. Leona é atriz, diretora, roteirista, apresentadora, cantora e produtora cultural. Fundou a campanha Representatividade Trans Já, sendo uma das representantes do desfile de mulheres trans de Ronaldo Fraga, no São Paulo Fashion Week 2016, além de ser mestre de cerimônias do Prêmio Justiça para Todas e Todos Josephina Bacariça, da Ouvidoria Pública do Estado de São Paulo. É cofundadora da Casa Chama – Organização civil de ações socioculturais com foco em artistas Transvestigêneres. Trabalhou em campanhas publicitárias, recebeu prêmio como melhor atriz por sua atuação no curta Lúcia, de Cristobal Hernandes, e foi recentemente indicada a melhor atriz, no 3° Festival de Cinema de Jaraguá do Sul. O mediador da conversa será Yan Della Torre, Produtor, diretor e roteirista Especialista em Script Writing. Produziu filmes premiados como "Poente" e "Top 10 Lugares em SP". Além disso, é Ceo da Lavanda Films, produtora especificamente voltada ao cinema LGBTQIA+ desde 2011. ⠀ Não perca a oportunidade de participar dessa conversa. A Live vai acontecer no dia 29/06 às 18h pelo Instagram do Instituto de Cinema (@institutodecinema). ⠀ ⠀ #somostodoscinema #vemproinc #inconline #live #cinema

A post shared by INC – Instituto de Cinema (@institutodecinema) on

No dia 29/06 às 18h, o Instituto de Cinema vai promover um bate papo com a produtora cultural Leona Jhovs, através de uma Live no Instagram da escola!

A convidada desta Live é mulher transfeminista e cineasta, e foi especialmente chamada para falar sobre a representatividade LGBTQIA+ no audiovisual.

Leona é atriz, diretora, roteirista, apresentadora, cantora e produtora cultural. Fundou a campanha Representatividade Trans Já, sendo uma das representantes do desfile de mulheres trans de Ronaldo Fraga, no São Paulo Fashion Week 2016, além de ser mestre de cerimônias do Prêmio Justiça para Todas e Todos Josephina Bacariça, da Ouvidoria Pública do Estado de São Paulo. É cofundadora da Casa Chama – Organização civil de ações socioculturais com foco em artistas Transvestigêneres. Trabalhou em campanhas publicitárias, recebeu prêmio como melhor atriz por sua atuação no curta Lúcia, de Cristobal Hernandes, e foi recentemente indicada a melhor atriz, no 3° Festival de Cinema de Jaraguá do Sul.

O mediador da conversa será Yan Della Torre, Produtor, diretor e roteirista Especialista em Script Writing. Produziu filmes premiados como “Poente”  e “Top 10 Lugares em SP”. Além disso, é Ceo da Lavanda Films, produtora especificamente voltada ao cinema LGBTQIA+ desde 2011.

Não perca a oportunidade de participar dessa conversa. A Live vai acontecer no dia 29/06 às 18h pelo Instagram do Instituto de Cinema (@institutodecinema).

View this post on Instagram

As cores no cinema possuem diversas utilidades, mas uma de suas principais funções como elemento narrativo é provocar determinados sentimentos no público, à medida em que externaliza os sentimentos dos personagens. Um bom exemplo disso é o filme Moonlight: Sob a Luz do Luar, de Barry Jenkins, primeiro filme com temática LGBTQIA+ a ganhar o principal prêmio da Academia, o Oscar de Melhor Filme. O filme conta a história de Chiron (interpretado por Alex Hibbert na infância, Ashton Sander na adolescência e Travante Rhodes na fase adulta), um rapaz negro que mora em um bairro violento de Miami e passa por diversos obstáculos e dificuldades, desde bullying na escola, até o envolvimento com o crime, passando por um processo de autoconhecimento especialmente no tocante à sua sexualidade. Baseada na peça inédita “In Moonlight Black Boys Look Blue” – que, numa tradução livre significa “Sob a luz do luar, garotos negros parecem azuis” – de Tarell Alvin McCraney, a história autobiográfica assinada também por Jenkins ganhou diversos prêmios, dentre eles o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado e o de Melhor Filme em 2017. ⠀ ⠀ Sobre a sua paleta de cores, é evidente o trabalho de James Laxton, diretor de fotografia da obra, em relação às cores e simbolismos presentes no filme, que dizem tanto ou até mais sobre a história do que o próprio roteiro. Vale a pena mencionar aqui também, para melhor compreensão tanto do filme quanto de suas cores, que o nome original da peça já carrega em si a cor azul, que em inglês também pode significar “tristeza”, ou seja, o título também pode significar “Sob a luz do luar, garotos negros parecem tristes”. Tal cor, por si só, já denota bem o tom e estilo do filme, e é possível perceber que ela se sobressai e se destaca durante toda a obra. Dito que o azul é utilizado como o tom geral do filme, algumas cenas e situações merecem destaque, confira no nosso Instagram frames do filme citados aqui no texto! ⠀ A análise completa está no blog, o link está na bio!

A post shared by INC – Instituto de Cinema (@institutodecinema) on

LIVE – REPRESENTATIVIDADE TRANS E CINEMA QUEER

No dia 30/06 às 19h, o Instituto de Cinema vai promover um bate papo com a atriz Renata Carvalho, através de uma Live no Instagram da escola!

A convidada desta Live é uma das vozes mais atuantes na militância LGBTQIA+ e na pesquisa sobre o corpo trans no teatro, e foi especialmente chamada para falar sobre a representatividade trans e Cinema Queer.

Renata começou a cursar teatro, se destacando na atuação de papéis femininos em dramaturgias mundiais. Passou dez anos trabalhando como diretora teatral e agente de prevenção e assistência a travestis e transexuais de São Paulo. É fundadora do Coletivo T, voltado apenas a artistas transgêneros e participou da criação do Monart (Movimento Nacional de Artistas Trans), que luta pela representatividade em espaços da arte.

O mediador da Live será Bruno Carmelo, Mestre em Teoria de Cinema pela Universidade Sorbonne Nouvelle – Paris III, Crítico de cinema pelo AdoroCinema, membro da ABRACCINE (Associação Brasileira de Críticos de Cinema), editor do Papo de Cinema e professor de cursos sobre o audiovisual.

Não perca a oportunidade de participar dessa conversa. A Live vai acontecer no dia 30/06 às 19h pelo Instagram do Instituto de Cinema (@institutodecinema).

LIVE do Pausa Dramática sobre a história do cinema LGBTQIA+ em Hollywood

Na segunda dia 29 também acontece nosso papo com Edson Godinho, criador do CineURGE, sobre a história do cinema LGBTQIA+ em Hollywood.

A partir das 19h no Instagram do @pausadramatica e do @festivalcineurge

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: