Resenha do blog: O Exótico Hotel Marigold

É extremamente gratificante quando vemos um filme que não duvida da nossa inteligência e competência para apreciar somente bons atores e bom texto. Mais nada. Nenhuma peripécia tecnológica, nada de efeitos especiais, gente de 70 e tantos anos sem plástica e que parece ter realmente 70 e tantos anos, atores excepcionalmente competentes, um ótimo filme, em resumo.
As mãos hábeis que dirigiram o oscarizado Shakespeare Apaixonado agora dirigem O Exótico Hotel Marigold. Como o filme anterior, este é inglês até a última gota de chá das cinco e, por isso mesmo, delicioso. Claro que o diretor John Madden também é o responsável por bobagens do nível de Capitão Corelli, mas isso a gente ignora. Seu Shakespeare Apaixonado era ágil, engraçado, romântico, sarcástico e sonhador até onde um filme inglês era capaz de ser. E Marigold repete o feito. Trazendo novamente Judi Dench encabeçando um elenco de verdadeiros patrimônios ingleses da atuação, o filme conta a história de diferentes pessoas, idosos, da Inglaterra que por um motivo ou outro decidem ir morar no “Exótico Hotel Marigold”: um auto-anunciado hotel para a terceira idade… na Índia!
Nunca é demais lembrar que Judi Dench ganhou um Oscar de melhor atriz coadjuvante pelo papel da Rainha Elizabeth na aventura romântico-shakesperiana no diretor com apenas oito minutos em cena durante todo o filme. Uma atriz de altíssima capacidade aqui com mais tempo em cena. Neste filme ela é Evelyn Greenslade, uma senhora que se vê sozinha e falida com a morte do marido. Por um caminho ou outro, todos os personagens irão parar no hotel, que na verdade não é em nada parecido com o folheto de divulgação: Tom Wilkinson é o juiz aposentado que, sem rumo, resolve voltar à Índia onde viveu 40 anos atrás; Bill Nighty (sempre ótimo) e Penelope Wilton são o casal em crise aos 40 anos de casamento que, falido, resolve mudar de ares; Maggie Smith (sem palavras, responsável pelas melhores tiradas politicamente incorretas do filme) é a senhora que precisa de uma operação no fêmur e por falta de opções na Inglaterra se submeterá a uma viagem para ser operada; e por fim Ronald Pickup e Celia Imrie como dois cinquentões que sonham em encontrar suas caras-metades ricas em terras longínquas. Este grupo aportará no hotel gerenciado por Sonny Kapoor (Dev Patel, o mesmo de Quem Quer Ser um Milionário), em pedaços, sem hóspedes e beirando a falência.
Claro que a vida de todos sofrerá grandes mudanças nesse lugar exótico e que aos poucos iremos descobrindo a vida de cada um deles. Mas é maravilhoso ver atores tão competentes (todos eles, sem exceção) se despindo de vaidades e mostrando suas rugas e linhas de expressão em interpretações sinceras, fluindo num texto por vezes aterrador (algumas cenas são dignas de lágrimas). Um elenco de estrelas, mas estrelas em competência e não em mérito de ‘levar público ao cinema’, e que mostra que para se fazer um filme de verdade não é necessário um orçamento milionário gasto em efeitos digitais. Talvez um bom roteiro, atores competentes que saibam dar vida a personagens de verdade e que não tenham a profundidade de um pires seja o suficiente. Pode não levar a grande massa ao cinema, mas que com certeza nos deixa de alma lavada, ah isso deixa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: