‘Na Medida do Impossível’, novo disco solo de Fernanda Takai

Por Flávio St Jayme

Uma das melhores artistas da música brasileira na atualidade, Fernanda Takai lançou hoje seu quarto álbum solo e o disponibilizou integralmente para ouvir em sua página do Facebook.

Fernanda Takai

No disco, parcerias com Marina Lima, Marcelo Bonfá (ex-Legião Urbana), PB (Jota Quest), Pitty e Julieta Venegas nas composições e Samuel Rosa (Skank), Zélia Duncan e Padre Fábio de Melo nos vocais. O álbum foi gravado no estúdio da cantora e do marido John Ulhôa (também do Pato Fu) em Belo Horizonte e será lançado pelo selo Deck Disc com patrocínio na Natura Musical.

Depois de dois primeiros trabalhos voltados para a MPB com regravações de sucessos de Nara Leão – Onde Brilhem Os Olhos Seus e Luz Negra – e o terceiro disco composto e gravado todo em parceria com Andy Summers (guitarrista do The Police) em um disco de bossa nova moderna – Fundamental, desta vez Fernanda admite partir para o seu próprio lado e lançar um disco mais intimista:  “Incluirei algumas coisas que não caberiam no Pato Fu. Meu jeito de selecionar músicas é mais delicado. Lá, sou eu e quatro homens, a banda funciona de uma forma mais democrática. Na carreira solo, eu escolho tudo. Esse será um disco de mulherzinha, no bom sentido”, diz a cantora.

Com um projeto gráfico — que tem como ponto de partida a narrativa fantástica –, a inspiração para a cada do CD feita á mão surgiu a partir de uma imagem de 1885 do fotógrafo japonês Kusakabe Kimbei que recortou de uma revista e pelo estúdio Hardy Design.

A capa conta a história de uma mulher comum que sai de casa em busca de seu destino. Ela deseja conhecer-se melhor e adquirir superpoderes. Para isso, passa por diversos momentos desde a preparação até conquistar o papel final.

De acordo com a diretora de criação da capa, Mariana Hardy, a ideia do projeto foi usar “uma linguagem gráfica para traduzir o ecletismo do disco”. “Mesclamos objetos em miniatura, imagens impressas e texturas para conseguir uma riqueza de detalhes e uma profundidade na imagem que não seria possível se tivéssemos fazendo uma montagem digital. A montagem lembra os ‘pop-up books’, os livros tridimensionais, que tem relação com a técnica de origami de dobradura de papel”, explicou ela.

Para se conseguir tal efeito, Fernanda Takai foi fotografada caracterizada como uma gueixa. Essa imagem foi impressa e o cenário foi montado a partir daí. “Adicionamos os elementos reais, como o letreiro do título do álbum e as bolas de algodão que faz às vezes da avalanche de neve. As maquetes foram construídas. A ideia final era que a capa fosse compreendida como uma manipulação da artista sobre o seu próprio momento ou cenário, como se pode ver no verso”, explicou outra diretora, Cynthia Massote.

fernanda takai

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: