Impressões sobre os episódios finais das terceiras temporadas de Once Upon a Time e Revenge

ATENÇÃO – OS TEXTOS ABAIXO CONTÉM SPOILERS!!

ATENÇÃO – OS TEXTOS ABAIXO CONTÉM SPOILERS!!

once-upon-a-time-season-3g

Eu preciso confessar: quando comecei a assistir Once Upon a Time achava bobinho, até meio chato. A história do menino que acreditava nos contos de fadas e que acreditava que sua mãe que o abandonara num orfanato iria salvar a pequena cidade da maldição da Madrasta da Branca de Neve, meio que me enchia as paciências.

Daí o tempo foi passando, personagens inusitados foram se misturando à história, tudo foi ficando cada vez mais interessante e empolgante e agora, no final da terceira temporada, o público ficou de queixo caído. E eu também.

JENNIFER MORRISONBranca de Neve, Chapeuzinho Vermelho, Mulan, Cinderela, Grilo Falante, Capitão Gancho, Bela, Bruxa Má do Oeste, Peter Pan, Chapeleiro Maluco, Robin Hood, Victor Frankenstein, Ariel… a lista é grande e nem sempre quem era vilão permanece vilão e o contrário também é válido, assim como graus de parentesco inimagináveis. Por que Once Upon a Time faz tanto sucesso? Exatamente ninguém sabe, mas é fácil ter alguns palpites: as histórias que misturam os contos de fadas com o “mundo real”, os diversos reinos, os infinitos vilões e contratempos, a forma inteligente de misturar as histórias e trazer elementos de cada uma delas para outra trama… tudo vai ficando cada vez mais divertido à medida que mais e mais gente entra na festa. A terceira temporada que começou com alguns dos protagonistas na Terra do Nunca e um Peter Pan vilanesco, teve a regeneração completa da Madrasta/Rainha Má em mocinha em um relacionamento amoroso com Robin Hood, culminou com uma vilã digna dos contos de fadas na pele de Zelena, mais conhecida como a Bruxa Má do Oeste. A bruxa que criou maldições e pretendia voltar no tempo para mudar seu passado foi parar na pequena cidade de Storybrooke (a cidade do mundo real onde se passa parte do seriado) disposta a roubar o filho recém nascido de Branca de Neve e Príncipe Encantado para completar seu feitiço, voltar no tempo e assassinar a própria irmã. Com uma trama que também envolveu volta no tempo e referências óbvias a De Volta Para o Futuro (entre outras bem divertidas), a “salvadora” Emma e o Capitão Gancho acabam sendo mandados para a Floresta Encantada no passado e, sem querer, mudando o destino dos personagens no futuro.

Toda a primeira metade do episódio duplo do final da terceira temporada gira em tordo da confusão que Emma e Gancho arrumam ao interferir justo no momento em que Branca de Neve e o Príncipe se conhecem, como em uma comédia de erros shakespeariana. Se eles não se encontrarem ali, todo o futuro será modificado, implicando, inclusive, que Emma não exista (já que ela é filha dos dois). Com a ajuda de Rumplestinskin e Chapeuzinho Vermelho eles conseguem (não de forma simples) corrigir a situação. Mas mesmo sendo advertida inúmeras vezes que não deve mudar absolutamente nada no passado, Emma não resiste em salvar a pele de uma moça que seria executada e trazê-la para o presente.

O maior trunfo deste final de temporada, além da revelação de quem será a vilã da próxima nos segundo finais, é claro, é o que acontece minutos antes. Só para recapitular: neste momento da trama, Emma e Regina (ex-Rainha Má) são amigas e ambas dividem a guarda do filho Henry, aquele que começou a história toda lá no primeiro episódio. Regina, depois de muito relutar, está em um relacionamento com Robin Hood que é viúvo e tem um filho pequeno. É neste momento que Emma revive a antiga rivalidade e desperta os piores sentimentos em Regina: se toda sua trama de vingança inicial contra a Branca de Neve era por esta ter acabado com as possibilidades de Regina ser feliz no amor no passado, sem saber Emma repete o ato da mãe no presente: a mulher que ela salvara da execução era ninguém menos que Marian, a esposa morta de Robin Hood.

Não é segredo que as grandes personagens de Once Upon a Time são Regina e Emma. E bem verdade que estávamos sentindo falta da rivalidade entre as duas. Agora é esperar para ver onde a Elsa (depois de sua entrada espetacular, diga-se) vai se encaixar na briga, porque que Regina irá se vingar de Emma, já ficou bem claro.

revenge

A gente bem sabe que Emily Thorne volta e meia se perde no meio do caminho de sua vingança. Seja por conta de uma trama confusa (como foi a segunda temporada) ou por gente que surge do nada e a atrapalha, mas nunca deixamos de acreditar nela. Nem quando ela teve amnésia e ameaçou por a coisa toda abaixo. Nem quando ela parecia ter dado um passo fundamental na vingança e numa jogada brilhante fez Conrad confessar seus crimes diante da imprensa, utilizando Charlotte. Ao final do penúltimo episódio desta terceira temporada a gente ainda não sabia se haveria mais uma ou não. Então o suspense que vinha crescendo ia alcançando níveis quase insuportáveis (no bom sentido) e a história ia caminhando para um possível final definitivo. Emily tinha conseguido a prisão de Conrad. Verdade que tinha precisado sequestrar Charlotte pra isso, mas os fins justificam os meios para nossa heroína. Estava tudo bem com Aiden; o nome do seu pai parecia que seria limpo… ela tinha somente uma pessoa em seu caminho ainda: Victoria. E foi justamente com os passos desta que ela não contava.

Após a prisão de Conrad (e uma certeza de que ele não sobreviveria ali dentro muito tempo), ela achou que poderia descansar um pouco, até que Jack lhe mostra o anel que encontrou na cabana com as iniciais de seu pai, David Clarke. Emily não consegue investigar muita coisa, mas descobre que Victoria está desconfiada que ela possa ser Amanda Clarke. Nessa altura dos acontecimentos, é até de se espantar que Victoria ainda não tenha nem desconfiado, aliás.

revenge2Pronta para impedir a descoberta, nossa heroína manda seu amado Aiden de encontro com a psiquiatra que cuidara dela quando criança e única que pode desmentir seu grande golpe de identidade. E este foi seu grande erro. Sem desconfiar que desta vez Victoria estava um passo a frente dela, Emily manda Aiden para sua própria morte, numa cena chocante onde vemos tudo do que Victoria é capaz. Ao responsabilizar Emily pela morte de seu amado Pascal, a matriarca “retribui” o gesto, acabando com as chances de Emily de ser feliz no amor e mata Aiden a sangue frio. Balas trocadas não doem, certo? Ok, a gente já sabia que alguém ia morrer. A página do seriado no facebook anunciou pra quem quisesse ler. Mas… precisava ser assim com tamanha maldade??

Enquanto isso a gente testemunha, incrédulo, um agente deixar Conrad escapar da cadeia vestido de padre. Não pode ser! Depois de tudo o que Emily fez, ele não pode fugir assim!

E a gente vai ao chão junto com ela, quando ao chegar em casa encontra o “presente” enviado por Victoria: o corpo inerte de Aiden no sofá. Já estamos chocados, estarrecidos, pasmos. Mas ainda não vimos nada. Se achamos que Victoria é capaz de um nível tão alto de maldade e de matar alguém só para que outra pessoa não seja feliz, esquecemos do que Emily é capaz. Não de matar, mas de coisas que podem ser muito piores. Tramando como só ela consegue, nossa vingadora loira se põe frente a frente com Victoria no cemitério enquanto cava a cova de Amanda. Depois de uma discussão acalorada, onde a matriarca afirma que sabe que a outra é, na verdade, Amanda Clarke, num gesto digno de aplausos (eu realmente aplaudi enquanto assistia), Emily acerta com a pá na cabeça de Victoria e a deixa desacordada.

É preciso que a gente lembre que existem três personagens em Revenge que se acham espertos mas são na verdade grandes patetas: Daniel, Jack e Charlotte. Esta última acaba tendo um insight e, se achando esperta mas sendo cada vez mais tapada, manda Jack para a prisão. O surgimento de Gideon, irmão de Margaux não parece ter muita importância para a trama principal, a não ser o fato dele se aliar a Nolan e a incriminação fatal de Daniel para derrubar definitivamente a irmã e assumir a corporação de mídia do pai.

Tudo bem, aqui a gente pensa que nada mais vai nos chocar. Que engano! Conrad anda pela estrada cantarolando enquanto tira os apetrechos de seu disfarce de padre. Um carro para atrás dele e uma pessoa desce. Um homem se aproxima e Conrad percebe que vai morrer ali e naquele momento. Quem é este homem? David Clarke!!! Sim, o pai de Emily/Amanda, motivo de toda sua vingança, estava vivo este tempo todo!

Ok, agora acabou né? Ainda não. Corta para um hospital, Emily está sentada ao lado de uma cama. Em outra reviravolta sensacional, nossa super-heroína faz com que Victoria seja internada como louca. Afirmando que a viu cavar a cova de Amanda e que ela demonstra uma fixação pela ideia de que Emily é na verdade Amanda, a loira consegue chantagear a mesma médica que cuidou dela para que esta testemunhe: sim, Victoria é louca e deve permanecer internada, amarrada e sedada. Emily sai, mais poderosa do que nunca, veste seu casaco e sai andando pelo corredor do hospital psiquiátrico enquanto Victoria aos berros no fundo afirma “Ela é Amanda Clarke!!”.

8r3e7

Que venham as quartas temporadas!!

3 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s