Resenha do site – O Amor É Estranho

o amor é estranhoÉ preciso coragem para realizar um filme como O Amor É Estranho. Não pelo teor de sua trama, muito menos por conter cenas impróprias. Justamente pelo contrário: pelo comum, pelo sincero e ordinário da situação.

Ben e George (os excelentes veteranos John Lithgow e Alfred Molina) vivem juntos há quarenta anos e acabaram de se casar. O casamento, acima da felicidade, traz uma consequência desastrosa: George é demitido da escola católica onde trabalha há 12 anos porque as pessoas viram suas fotos com Ben após o casamento. Não que ninguém soubesse do relacionamento, mas ver as fotos é diferente de saber e jogar para baixo do tapete. Com a demissão veio um problema ainda maior: eles não conseguirão manter o apartamento que compraram há pouco tempo e até acharem outro lugar para morar vão precisar de um lugar para ficar.

Neste ponto O Amor É Estranho toca em uma ferida de todos nós, héteros ou gays, casados ou solteiros, jovens ou velhos: o medo de depender de outras pessoas. Ben e George irão depender da bondade da família para se ajeitarem enquanto as coisas não dão certo. E cutucando nesta ferida, o longa do diretor Ira Sachs nos coloca não apenas no lugar dos dois homens, mas de todos os outros personagens: a mulher que oferece abrigo mas logo percebe que a situação será insustentável (por mais fácil de lidar que eles sejam) e aquela sensação de “visita que não deve durar mais de três dias” começa a aparecer; o rapaz que também oferece o sofá mas se esquece que tem uma pessoa de mais idade na casa e continua vivendo sua vida desregrada de festas noturnas; o adolescente que tem seu quarto invadido por aquele parente, quase um estranho, presente dia e noite em sua intimidade. Até onde o ‘ele não vai incomodar’ vai e quando deixa de ser verdade?

O Amor É Estranho é de uma sinceridade cruel e de uma transparência aterradora. Será que, em algum momento da vida, todos passaremos por situação semelhante? Este se sentir humilhado, este orgulho ferido, este ‘precisar do outro’ faz bem ou mal? O carinho e a cumplicidade de Ben e George não poderiam ser melhor expressados em tela. Lightgow e Molina demonstram um talento e uma confiança e cumplicidade tão reais que por vezes o filme emociona, ainda que não seja nem um pouco maniqueísta.

A vida de duas pessoas maduras afetada pelo preconceito. Esta poderia ser a mensagem maior do filme. No entanto ele não se limita a algo tão simplista e, utilizando este ponto de partida, nos leva para dentro da vida daquelas pessoas quase como voyeurs, e ficamos ali testemunhando o amor entre aqueles dois homens e de que forma eles afetam a vida dos outros à sua volta, mas que bem poderia ser entre um homem e uma mulher. O fato de ser um casal gay em nada interfere com o poder e a franqueza desta história que, mesmo quando poderia nos manipular para nos fazer chorar, prefere continuar terna e leve, sem se valer de falsos truques ou saídas fáceis. O Amor É Estranho é um filme poderoso em seu retrato do amor e da cumplicidade. E ao mesmo tempo é um filme leve, fácil de se assistir. Uma daquelas coisas que poucas pessoas irão ver, mas que deve ser descoberto por todos os tipos de público.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: