Sete filmes que, mesmo sendo ficção, escorregam feio na ciência

O cinema é ficção, a gente sabe. Mesmo quando é verdade (documentário) é mentira (não deixa de ser um ponto de vista só de uma história que pode não ser exatamente o real). Mas mesmo assim, muita gente se incomoda com as inverdades mostradas na telona quando se trata de ciência.

Você deve ter se lembrado das explosões barulhentas de Star Wars né? Nesta lista, Star Wars é café com leite. É um universo no qual existem fantasmas, ursinhos de pelúcia falantes e mágica (o que mais seria a força?).  Naves fazem “whoosh” no espaço, lasers se movem como balas com traçante, espadas de lazer fazem gwaam, alguém pode acelerar até a velocidade da luz em dois segundos sem virar patê e… Enfim, ia levar um post inteiro. Os fãs que me desculpem, mas Star Wars está para a ficção científica como a República Popular Democrática da Coreia – a Coreia do Norte – está para democracia.

Abaixo, uma lista de outros sete filmes que derraparam feio na ciência, mesmo na hora de criar a mentirinha do cinema.

1. Matrix

ciencia-matrix

Toda a série se baseia na ideia que as máquinas escravizaram as pessoas para extrair energia delas. O caso é que gente consome, não produz, energia. E isso vale para qualquer ser vivo, mesmo as plantas, cuja energia vem do Sol. E boa parte do que consumimos não vai para coisas que poderiam gerar energia, como o calor ou os músculos. Só o cérebro gasta 20% do que entra para ponderar se é biscoito ou é bolacha. Se as pessoas ficassem pedalando o dia inteiro, elas produziriam muito menos do que estão gastando. Se as máquinas simplesmente tacassem fogo no que quer que seja a meleca com que alimentam as pessoas, conseguiriam gerar muito mais, sem o inconveniente de criar um Keanu Reeves.

2. Walking Dead (e qualquer filme de zumbi)

ciencia-twd

Gente morta não se mexe (really?). Mesmo se algum tipo milagroso de vírus devolvesse a vida (desvida?) a elas, isso ainda seria impossível. Horas após a morte, os músculos travam no rigor mortis, causado pela ausência do ATP, o combustível das células. Sem ele, eles não podem relaxar. O corpo só pode ser movido novamente dias depois, quando a decomposição simplesmente quebra as fibras dos músculos. Zumbis, assim, seriam mais moles que que seu pudim que não deu certo.

Tem mais. Por que os urubus ignoram os zumbis? Mesmo sem os urubus, depois de um ano, só resta a caveira – que também se decompõe um dia. Então, de onde vêm as centenas de corpos recentes, quando sobrou meia dúzia de desesperados no mundo? Ou nos velhos clássicos, nos quais centenas de corpos recentes brotam de um cemitério.

3. Waterworld

ciencia-water

No desastre de bilheteria que afundo a carreira de Kevin Costner e ainda é considerado um dos piores filmes de todos os tempos, o aquecimento global derreteu as calotas polares e o mundo inteiro virou um oceano. Na vida real, se todo o gelo do planeta fosse derretido, o nível do mar subiria 70 metros – suficiente para acabar com a casa da família na praia, mas nem de longe sequer cobrir os morros cariocas, quanto mais o Everest.

Outra: Costner desenvolve guelras como uma adaptação. Existe uma razão porque as baleias e golfinhos estão aí há dezenas de milhões de anos e não reinventaram as guelras. Para um animal com o metabolismo tão rápido quanto o de um mamífero sobreviver com o oxigênio da água, seria necessário que uma quantidade colossal passasse pelas guelras. Um humano teria que respirar 192 litros de água por minuto. Só se ele respirasse de um jet ski.

4. Lucy

ciencia-lucy

Scarlet Johansson recebe acidentalmente uma dose enorme de uma droga experimental. Ao invés de morrer, ela ganha um superpoder. De usar o cérebro inteiro, o que causa telecinese (mágica).

Ok, repita comigo para nunca esquecer: não, não usamos só 10% da capacidade do cérebro. Não, não e ponto. O cérebro, já vimos antes, é um órgão gastador. Seria impensável, mesmo para alguém usando apenas 10% do cérebro, que a evolução criasse algo tão extremo para desperdiçar o potencial. Por isso mesmo, jamais qualquer cientista disse isso (e isso é desmentido NESTE video). Essa é uma lenda urbana surgida lá atrás, no início do século passado, e repetida até hoje.

5. Star Trek

ciencia-enterprise

Fãs, segurem suas pedras. Começo por dizer que a série leva a ciência muito mais a sério que a arquirrival Star Wars. Isto é, tirando uns furinhos básicos – o manjado som no espaço e o fato que as naves sequer existiriram num mundo onde o teletransporte é tão fácil. O real problema é um caso inexplicável de evolução convergente.

Vulcanos têm orelhas pontudas e um problema com metáforas. Klingons têm testa em formato de uva passa e tendência a usar espadas impráticas. Ferengi são mais feios que briga de foice em elevador. A diferença na evolução entre planetas distantes e a Terra é resolvida com uma testa de borracha.

Evolução convergente existe. O tatu, a tartaruga e o pangolim tem armadura pela mesma razão: escapar das mordidas. Insetos tem cara, como a gente, porque funciona melhor ter os olhos na frente que na ponta das patas. Mas, para um alienígena parecer quase exatamente como um humano, não só o planeta teria que ser igualzinho à Terra, mas toda a sua história evolutiva teria que ser também idêntica. Teriam que ter surgido vertebrados, depois mamíferos, depois primatas, depois hominídeos.

Enfim, só por Deus. Podem pegar de volta as pedras, que vou dizer: Star Trek é criacionista.

Também visto em: Guardiões da Galáxia e uma cacetada de outros. Basicamente, em qualquer um que o orçamento não cobriu marionetes mecatrônicas.

6. O Incrível Hulk

ciencia-hulk

Na vida real, raios gama transformam pessoas em cadáveres, não um super-heróis. O último filme tornou Bruce Banner imune à radiação antes de ser exposto, mas tem outro problema, maior que o próprio Hulk após topar com o dedão no pé da mesa: de onde vem a matéria que forma seus músculos?

Matéria é constante. Você é formado pelos mesmos átomos dos dinossauros. Todo mundo sabe qual é o jeito de adquirir mais átomos: passando férias na casa da vovó. Ou o Hulk é inflável, feito de ar, ou teria que comer uma vaca para ficar grandão, e perder essa massa de algum jeito, quando volta a ser Banner. Melhor não pensar como.

7. X-Men

ciencia-magneto

Vamos deixar de lado poderes mágicos como os de Jean Gray. Ou o fato que o Wolverine, assim como o Hulk, seria mais lariquento que o Salsicha e o Scooby Doo juntos, porque precisaria comer o equivalente a um braço para recriar um braço. O que é realmente esquisito é o Magneto.

Seus poderes se baseiam numa coisa bem mundana e conhecida: o magnetismo. E ele consegue usar isso para voar, usando um cinturão metálico ou – no segundo filme – uma placa de ferro criada na hora.

Pense, porém, que a força magnética não é antigravidade. É mais como um cordão invisível. Quando uma grua de ferro-velho prende um carro pelo teto, o peso do carro é transferido para ela. Quer dizer Magneto voar puxando a placa ou o cinto para si próprio é absurdo. É como você subir numa calota, tentar puxar ela para cima com as mãos, e achar que vai sair voando. Ou tirar a si mesmo da água puxando o próprio cabelo, como o Barão de Munchausen.

Pela mesma lógica, se ele tentasse levantar um navio ou, pior ainda, uma ponte, o peso seria transferido para ele. Mesmo se ele fosse o Superman (e não um velhinho/galã com força perfeitamente humana) acabaria afundando no chão. Se o movimento fosse de lado, como na cena da antena parabólica em X-Men: Primeira Classe, ele seria empurrado na direção contrária.

VIA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s