Skank ganha disco-tributo em comemoração aos 25 anos. Ouça ‘Dois Lados’

Depois do sensacional tributo ao Pato Fu (que já mostramos AQUI) chegou a vez de outro grande nome da música brasileira ser homenageado. Enquanto completa 25 anos de lançamento de seu primeiro disco, o Skank ganha também o seu tributo, produzido pelo Scream & Yell.

O produtor Pedro Ferreira convidou 32 artistas em posição de destaque no cenário nacional. Alguns são independentes, outras figuras conhecidas na cena mainstream. Foram feitas 32 releituras das faixas mais icônicas dos autores dos hits Garota nacional, Balada do amor inabalável e Vamos fugir.

As primeiras 16 faixas do projeto serão lançadas na próxima segunda. Uma semana depois, serão disponibilizadas as outras 16 versões. Ponto alto do projeto, Amores imperfeitos abre o primeiro disco com parceria entre o duo Anavitória e o tecladista do Skank, Diogo Portugal. Além da dupla de Tocantins, o recorte dos artistas passeia de ponta a ponta do Brasil. De São Paulo, Rico Dalasam, Dani Black e André Abujamra; de Alagoas, o cantor Wado; do Paraná, A Banda Mais Bonita da Cidade. A lista inclui também o brasiliense André Gonzales e a Sr. Gonzales Serenata Orquestra.

“Assim como aconteceu com o Re-Trato (coletânea em homenagem ao Los Hermanos), em 2012, e o Mil Tom (tributo ao Clube da Esquina), em 2015, a curadoria de todas homenagens que produzo tem o mesmo norte. Procuro convidar músicos com influência do artista homenageado ou admiração por sua obra. Deixo bem claro para o músico que o objetivo da homenagem não é de ser um disco de covers, mas sim um espaço para releituras, onde eles têm total liberdade para imprimir sua identidade nas canções”, acrescenta.

anavitoria.png

Anavitória regravou ‘Amores Imperfeitos’

Da batida ska do início da carreira até escancararem suas influências de rock inglês e do Clube da Esquina em trabalhos recentes, poucas bandas na história da música pop nacional foram tão bem sucedidas como o Skank. A trajetória dos mineiros sempre foi marcada por um flerte com o pop radiofônico, que os levou ao topo das paradas durante anos, além de ter aberto caminho para toda uma nova geração, não só de Minas Gerais, mas dos quatro cantos do Brasil, entusiasmados pela possibilidade de fazer música de qualidade e com forte apelo popular.

É essa mistura de musicalidade, inovação, pegada pop e reconhecimento que motivou o Scream & Yell a realizar o tributo “Dois Lados”, produzido e idealizado pelo produtor mineiro Pedro Ferreira, responsável pela homenagem ao Los Hermanos em 2012, “Re-Trato”, e ao Milton Nascimento e Clube da Esquina em 2015, “Mil Tom”, também lançada pelo Scream & Yell. “Dois Lados”, porém, é mais que um tributo ao Skank, é também uma forma de revisitar uma das obras de maior sucesso da música brasileira recente, com releituras personais de artistas da nova geração nacional.

Está tudo aqui. Do Skank indie que bancou na coragem o primeiro CD em 1992 (25 anos atrás!) ressurgem o balanço de “Baixada News”, com os conterrâneos do Graveola, e de “Homem Q Sabia Demais”, com o gaúcho Ian Ramil, mais uma versão emocional de “Tanto (I Want You)”, por Zé Manoel, e uma releitura de Lulina para a ainda atualíssima “In(dig)Nação”, com letra citando Romulo Fróes, Daniela Mercury, Elza Soares, Zé Celso e outros indignados. O clássico “Calango” (1994) é representado por Nevilton (“Te Ver”), Teago Oliveira, da Maglore, em versão solo (“Esmola”), The Baggios (“A Cerca”) e Francisco el Hombre (“Pacato Cidadão”).

Do multiplatinado “O Samba Poconé” (1996) figuram “Garota Nacional” (revista por Manitu), “Sem Terra” (André Abujamra) e “Tão Seu” (Ana Larousse e Leo Fressato) enquanto “Siderado” é representado por potentes versões acústicas de “Resposta” (Phillip Long e Eduardo Kusdra), “Saidera” (Dani Black) além de “Mandrake e os Cubanos” (Garotas Suecas) e da faixa título, revista pelo Transmissor. De “Maquinarama” (2000) foram selecionadas “Três Lados” (Tuyo), “Canção Noturna” (A Banda Mais Bonita da Cidade) e a bela “Ali” (Selvagens a Procura de Lei). Do “MTV ao Vivo em Ouro Preto” (2001) saiu “Acima do Sol” (Ana Muller).

Com muitos fãs ao redor do Brasil, o álbum “Cosmotron” (2003) foi o mais procurado pelos artistas do tributo com “Dois Rios” em grande versão de Wado, o primeiro single do projeto, a delicada “Amores Imperfeitos”, com Anavitória (não disponível no Soundcloud, mas liberada para download gratuito), a sexy “Formato Mínimo”, com Fernando Anitelli, “Vou Deixar”, com Phill Veras, e “As Noites”, com Medulla. Da coletânea “Radiola” (2004) marca presença “Um Mais Um” (Gabriel Gonti) e a versão da versão do Skank para Gil, “Vamos Fugir” (Quarup). O álbum “Carrossel” (2006) foi revisto na versão de Esteban Tavares para “Mil Acasos”.

Já de “Estandarte” (2008) foram pescadas “Ainda Gosto Dela” (Sr. Gonzales) e uma linda versão de “Sutilmente” por Jéf. Fechando a discografia, “Velocia” (2014) marca presença com “Esquecimento” (Cobra Coral) e “Ela Me Deixou” (Seu Pereira e Coletivo 401). Com essa coleção de canções (32 faixas no download gratuito, 31 no Soundcloud), o Scream & Yell busca mostrar a versatilidade de uma grande banda surgida num momento de retração do mercado pop rock nacional, o começo dos anos 90, e que mesmo assim conseguiu cravar hits nas paradas e lançar belos discos que escreveram o nome Skank na história da música popular brasileira.

Ouça no Soundcloud ou clique no disco para baixar.

Disco 1: disponível a partir de 12/06 – clique na imagem para baixar

skank tributo

Disco 2: disponível a partir de 19/06

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s