Colunista da Gazeta do Povo chama mulheres que lutam contra assédio sexual de histéricas

Algumas semanas atrás um “articulista” político da Gazeta do Povo (maior veículo jornalístico do Paraná) escreveu em sua coluna fixa na edição impressa do jornal um texto sobre Star Wars: Os Últimos Jedi. Mas peraí, ele não é de política? Pois é.

Neste texto (absolutamente infeliz) ele reclamava do tom ideológico do filme e da forma como “99% dos vilões eram homens brancos” (palavras suas).

Pois muito bem, engoli aquele texto estapafúrdio que reclamava da defesa dos animais e das mulheres e negros protagonistas de uma das maiores sagas do cinema pra ninguém dizer que não gostei por ser fã do universo Star Wars.

Mas hoje ele atacou de novo. No mesmo jornal, Rodrigo Constantino publicou um artigo onde se refere ao assédio sexual e à cultura do estupro como HISTERIA. (O texto não está disponível no site, somente um outro em seu blog, tão absurdo quanto que diz que esta “histeria” vai prejudicar a busca de emprego pelas mulheres)

Parece absurdo que um homem branco, heterossexual e com uma boa conta bancária (deduzi, já que ele escreve para a Gazeta do Povo e Isto É) se sinta capaz de chamar uma minoria social de histérica. De fato, não existe assédio sexual ou cultura do estupro no Brasil. As 86% das mulheres que disseram sofrer assédio (segundo ESTA PESQUISA da ActionAid) estão apenas sendo histéricas. Todas aquelas outras que sentem medo de andar na rua sozinhas, que pensam “não vou por esta saia porque podem me cantar na rua”, que são obrigadas a ver um candidato à presidência dizer que não estupra uma mulher porque ela não merece ou ainda aquelas encoxadas por homens em transportes públicos são apenas histéricas.

Hoje eu vejo como é desapropriado você criticar um preconceito quando você mesmo não sofre nenhum. A não ser que Constantino sofra do mal que tanto assola os pobres homens hétero (ele deve fazer parte daquelas páginas de orgulho hétero no facebook), é, no mínimo, absurdo que ele se sinta no direito de falar que mulheres que sofrem assédio são histéricas. Ele parece se sentir absolutamente prejudicado por ser um homem branco. Desta vez porque não pode assediar uma mulher. Aparentemente o homem branco, ruco e heterossexual é a figura mais prejudicada do mundo. Me pergunto o que sua esposa acha dessa opinião.

O que o colunista chama de histeria é o reflexo de um comportamento machista perpetrado por séculos que ainda sobrevive. Quando Constantino diz que existe uma “guerra entre os sexos” e que as mulheres querem uma “inversão da estrutura de poder” (isso seria ruim?) ele esquece que estas mulheres sofrem com o assédio desde o nascimento. Menina só brinca de casinha, lugar de mulher é na cozinha, foi estuprada porque pediu, mulher tem que ganhar menos que homem… estas devem ser frases comuns na vida de Constantino e em seu círculo de amizade deve ser comum também o homem que não vê problema com elas ou com se esfregar em uma mulher contra sua vontade. Afinal se ela reclamar, está sendo histérica.

O colunista defende ainda que “todos os homens” são o foco das feministas. Não, meu amigo. Conheço inúmeros homens (heterossexuais) que não serão o foco. Pois não veem como normal uma cultura onde é super ok tratar a mulher como inferior ou como objeto sexual ao seu dispor. Assim como conheço mulheres que sofreram com assédio e tentativa de estupro que certamente não são histéricas. Me pergunto se Constantino escreve esses artigos em busca de atenção, como fazem outros, como Feliciano e Bolsonaro.

Mais uma vez a Gazeta do Povo traz um texto infeliz de um colunista preconceituoso e absurdo. Em outros tempos tive a felicidade de poder responder no próprio jornal com um artigo-resposta, quando o estapafúrdio texto de Carlos Ramalhete afirmou que “seria mais vantajoso para uma criança morar em um abrigo para órfãos que em um lar com dois homens”. Hoje, aos 99 anos, a edição impressa é semanal, e não há mais abertura para quem não faz parte do grupinho do jornal ser publicado (nem mesmo como artigo). Então me limito a postar em meu site, esperando que pessoas possam ler este texto e se indignar como eu com os despautérios de um veículo que deveria respeitar o seu público.

rodrigo constantino gazeta.JPG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s