Por que um programa ruim como ‘Queer Eye’ faz tanto sucesso?

Quando Queer Eye For the Straight Guy estreou em 2003 na cola do sucesso de Queer as Folk, tratava-se apenas de um desfile de gays estereotipados fazendo make-over em um hetero que “não sabia se vestir e se comportar”. E era muito ruim.

15 anos depois, por conta da crescente onda de falta de criatividade revival, remakes e sequências que tomou conta de Hollywood, e em razão de toda a representatividade da comunidade LGBTI no mundo (e de todos estarem descobrindo o rico mercado que ela inclui), ganhamos o remake, chamado agora apenas de Queer Eye.

12-queer-eye-old-new.w710.h473
Os Fab 5 de 2003 e de 2018 (e sim, aquele no meio do grupo de 2003 é Carlson Kressley, hoje jurado do RuPaul’s Drag Race)

Anunciado como muito melhor que seu original, Queer Eye mostra… um desfile de gays estereotipados fazendo make-over em um hetero que “não sabe se vestir e se comportar”. E continua sendo muito ruim.

O programa, já renovado para a terceira temporada pela Netflix, tem um grande propósito afora a transformação realizada pelos “fab 5”: reforçar o estereótipo de que todo gay entende de moda, cabelo, design e vinhos.

Não que muitos não entendam, mas existem outros tantos que não entendem. É como nas novelas e filmes onde o gay serve apenas como alívio cômico, para mostrar trejeitos e dar gritinhos. Queer Eye é irritante, e Tan France e Jonathan Van Ness são os campeões neste quesito. Ambos parecem até mesmo forçados em seus trejeitos e expressões, como se exagerassem justamente para reafirmar o estereótipo esperado deles. O lado “humano” que o programa se propõe a ter se perde numa balbúrdia de cabelos esvoaçantes e bordões e onde os apresentadores são, claramente, mais importantes que o participante.

Um programa como Queer Eye serve, primordialmente, para heterossexuais insistirem na ideia do “gay de estimação”. Sabe aquela coisa do “Ah eu sempre quis ter um amigo gay pra me ensinar a me vestir”? Então, o programa tá aí pra mostrar que por mais que a comunidade gay brigue com este estereótipo, ele vai sendo reforçado cada vez mais.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s