Resenha do site: A Primeira Noite de Crime

Em 2013 quando o primeiro filme de Uma Noite de Crime chegou aos cinemas nós tivemos uma grata surpresa. Uma ideia nova, inovadora que apresentou um filme interessante e tenso em um terror que nós nunca tínhamos visto. 

De lá pra cá The Purge virou saga e ganhou série.  E esta semana estreou no Brasil o quarto filme: A Primeira Noite de Crime. 

Mantendo o frescor de seu original, filme após filme a saga conseguiu contar diferentes histórias dentro de seu universo único. E desta vez não é diferente. 

Mostrando como foi a primeira experiência que deu origem à hoje já conhecidas 12 horas de crime autorizado, A Primeira Noite de Crime mostra o “experimento social” do governo americano que resultaria na lei. 

A cada filme, a saga foi aumentando o seu tom político e se, da primeira vez alguns de nós poderíamos achar que se tratava de uma boa ideia autorizar os crimes para diminuir a criminalidade, hoje já temos certeza que não, nunca será uma boa ideia. 

Aqui a história mostra como o governo dos EUA, com a desculpa de se tratar de um experimento psicológico, usa a experiência para atacar os mais pobres e menos favorecidos. 

A primeira tentativa acontece em um bairro pobre americano, predominantemente negro e latino. Ao anunciar o “experimento social”, o governo foca em prédios populares. E, ao perceber que as coisas não estão indo como o planejado e que as pessoas não estão comentendo atos de violência extrema, toma as rédeas da situação para manipular números e transformar o resultado da forma que desejam. 

Muito mais um terror político e racial que um slash movie (seu elenco é praticamente todo negro), A Primeira Noite de Crime demonstra como um argumento pode ser distorcido até o ponto que uma política social se torna meramente o extermínio de um nicho da população. Se no início do filme as pessoas não se veem dispostas a matar, ao longo de uma hora e meia vão se vendo obrigadas a isso para sobreviver. 

Um filme assustador. Não pelo terror cinematográfico mas pelo teor e sua trama. E pela possibilidade de que algo parecido possa realmente acontecer. 

A boa mão de James de Monaco, roteirista de todos os filmes e da série, conta de forma magistral a transformação de seus personagens. A ponto de começarmos o filme antipatizando com alguns deles e terminarmos torcendo por eles. 

A série derivada dos filmes, aliás, segue o mesmo caminho intenso: vamos da apresentação dos personagens ao que os leva a cometer crimes. Ainda que isso vá contra tudo o que acreditam. 

The Purge é um universo único no cinema. Uma trama que ainda pode render infinitas histórias e que se mantém fresca e, mais importante, aterrorizante em seu quase-realismo. Aqui não é um assassino mascarado que nos assusta. Ou um fantasma ou uma boneca possuída. Mas a possibilidade que tudo aquilo que vemos na tela possa estar do lado de fora (ou de dentro) da nossa porta. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s