Resenha do blog: Terapia de Risco

Steven Soderbergh é um diretor estranho. Assim como seus filmes, que passeiam tranquilamente entre vários gêneros, seus filmes também passeiam entre o bom e o ruim. De coisas muito ruins como Magic Mike, passando por outras medianas, como Onze Homens e um Segredo e Contágio a muito boas, como Erin Brokovich. Ou este novo Terapia de Risco.
O diretor anunciou recentemente que seu filme que neste momento causa furor em Cannes, Behind the Candelabra, será último de sua carreira, quanto a isso é esperar pra ver. Esperar pra ver também o filme que vem dividindo opiniões de críticos, que já o chamaram de ‘obra prima’ e de ‘gay demais’.
Por hora, nos cinemas brasileiros, Terapia de Risco está em cartaz, e mistura drama, policial e suspense num filme que começa desinteressante e de repente acorda e faz com que a gente se encolha na poltrona. Rooney Mara (de Os Homens Que Não Amavam as Mulheres, versão americana) é Emily, uma mulher que espera o marido sair da cadeia para continuar a vida. Preso por repassar informações confidenciais de ações da bolsa, Martin (o sempre péssimo Channing Tatum, de Magic Mike) ganha a liberdade para encontrar a esposa mergulhada numa depressão. Após se atirar com o carro contra a parede da garagem ela é internada e passa a ter acompanhamento médico do psiquiatra interpretado por Jude Law (de Sherlock Holmes e Anna Karenina). Depois de passar por vários antidepressivos ele receita uma nova droga, que promete milagres no tratamento da doença. Porém a droga causa alguns efeitos colaterais, como sonambulismo, e numa dessas crises Emily comete um crime.
O que vinha morno até aqui acorda o espectador quando o drama dá lugar a uma outra discussão: de quem é a culpa pelo crime? Da mulher que tomava o remédio?  Do médico que receitou? Do fabricante da droga? Neste momento o drama que virou filme de investigação sofre uma reviravolta de cair o queixo e a questão não é mais DE QUEM é a culpa, mas SE HÁ culpa em si.
Não dá pra falar demais sem estragar as surpresas que vem em ritmo acelerado depois da primeira metade do filme. É preciso força para resistir ao seu início em banho-maria, mas uma vez que ele nos acorda, é impossível tirar os olhos da tela até que a gente descubra o que diabos aconteceu.
Catherina Zeta-Jones (de Chicago e Rock of Ages), sempre lindíssima e eficiente interpreta uma terapeuta anterior de Emily que irá ajudar o atual médico a investigar para tentar descobrir a verdade por trás do crime cometido. Pequenas discussões sobre a ética da indústria farmacêutica também permeiam o filme em pontos bem estratégicos, só pra deixar a pulga atrás da orelha, mas sem deixa-lo chato demais.
Daqueles filmes onde nada é exatamente o que parece ser, chega um ponto onde em nossa cabeça todos são suspeitos. Resista aos 30 ou 40 minutos iniciais, você não irá se arrepender.

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s