Resenha do site: Homem-Formiga

homem formigaDá pra dizer, assim logo de cara, que Homem-Formiga se vale de uma bênção. O que poderia ser uma maldição em outro caso, aqui é o único fator a favor do filme. Uma palavra. Uma marca. Uma logo. Uma grife. Marvel.

Sim, não é exagero dizer que, não fosse o poder da gigante dos quadrinhos (e do cinema, e dos seriados, e dos livros, e dos brinquedos…) o filme do ex-condenado transformado em herói seria apenas mais um e passaria desapercebido nos cinemas, fadado a eternas reprises na TV.

Homem-Formiga é tolo, desnecessário para o universo Marvel, sem graça e infantil. Um “filme de origem” como tantos outros, conta exatamente como aquele homem que já havia sido preso por roubo (mas por uma boa causa, é sempre bom frisar, em uma espécie de Robin Hood do capitalismo) é convertido em um super-herói. Sem poderes, sem uma picada de aranha ou um raio gama. Com apenas um traje, Scott Lang (Paul Rudd) passa de mau-elemento pra bom moço, daquela forma que só filmes conseguem. Ah, mas ele não era mau de verdade, era tudo por uma boa causa.

Ok, depois de você engolir essa fica fácil digerir o filme. Lang ganha de Hank Pym (Michael Douglas) – só porque este último foi com sua cara, aparentemente – um super traje capaz de encolhê-lo ao tamanho de uma formiga. Pym guardava estre traje a sete chaves, escondia este segredo até da própria filha, não deixou ninguém se aproximar de sua invenção por décadas, mas não hesita em dá-lo na mão do estranho de bom coração para que este lute contra os planos de seu maléfico ex-pupilo Darren Cross (Corey Stoll). Sim, é tudo simples assim. Caro leitor, você foi avisado que o filme era infantil.

Lang então se torna não apenas capaz de encolher (mantendo sua força de um homem de 90 quilos em um ser de milímetros), mas também de controlar as formigas. Com isso, Lang, Pym e Hope (Evangeline Lilly) – filha do cientista/milionário Pym – traçam um plano para que o herói invada um centro de pesquisas com um exército de formigas para destruir os planos de Cross de vender a tecnologia para o exército.

Não há muito o que falar sobre o filme: personagens deslocados com piadas fora de hora, roteiro fraco e frouxo, romance que não cola, efeitos que deixam a desejar (se você se pegar pensando em Querida, Encolhi as Crianças no meio do filme não se espante – aquele ao menos era divertido).

É de se imaginar que Paul Rudd poderia ter em suas mãos a mesma chance que Robert Downey Jr teve com Homem de Ferro: a de ter uma carreira em declínio finalmente alavancada por um super herói. Ator de poucas habilidades, Rudd nunca havia feito um filme bom de verdade e, guardadas as devidas proporções, poderia esperar um retorno bom de Homem-Formiga. Esse retorno dificilmente virá. Se Downey Jr fez do Homem de Ferro o SEU personagem, o filme e o personagem de Rudd são tão fracos que o tornam apenas um genérico.

Se você não conseguiu ver no cinema pode tentar ver agora em casa via streaming, DVD ou bluray. Mas se não conseguir, também não faz mal. Homem-Formiga certamente será um clássico da sessão da tarde daqui alguns anos.

Anúncios

Um comentário sobre “Resenha do site: Homem-Formiga

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s