Resenha do site – Bruxa de Blair

poster-bruxa-de-blair.jpgDezessete anos se passaram desde que A Bruxa de Blair estreou nos cinemas e fez história. Fez história como um dos filmes mais originais e assustadores dos últimos anos (até hoje) e fez história por criar um novo gênero no cinema: o dos filmes found footage, hoje espremido até a última gota de suco (e de originalidade) ser extraída.

De lá pra cá muito mudou, mas uma coisa continua igual: o medo. Pode ser que o medo da violência, por exemplo, tenha aumentado (ponto para Uma Noite de Crime), mas o medo do desconhecido continua lá, firme e forte dentro de cada um de nós. E era justamente o desconhecido o grande trunfo de A Bruxa de Blair. Ao não mostrar nada, o filme conseguia ser mais assustador que muitos outros que mostravam demais. Ao não explicar, o filme deixava o medo no ar. E foi assim que se tornou um novo clássico do cinema até hoje aterrorizante e que não parece em momento nenhum datado.

Mas eis que depois de uma sequência massacrada pela crítica (que nem é tão ruim assim) em 2000, resolveu-se que estava na hora de trazer o filme aos cinemas novamente. Ponto negativo para a ideia, que pegou um longa completamente original e colocou-o no balaio de sequências que invadem o cinema atual.

O filme é ruim? Não. Ainda é melhor que muita coisa que o cinema de terror tem feito atualmente. Mas era necessário ou será tão marcante quanto o primeiro? Claramente não.

Veja nossa lista de 10 filmes de found footage que valem a pena

Bruxa de Blair chega aos cinemas 17 anos depois do primeiro longa e se propõe a contar a história do irmão da protagonista de 1999, Heather, ao redor do desaparecimento. James então vai com amigos à malfadada floresta onde tudo aconteceu. E, claro, tudo poderá acontecer novamente.

O novo longa é muito mais um “remake atualizado” do original que uma sequência. É o mesmo cenário, os personagens são semelhantes, as situações e inclusive os sustos são semelhantes. O que difere, além dos atores, é que desta vez o filme se data e, em dois ou três anos poderá ser considerado obsoleto. Se em 1999 tudo o que os personagens tinham eram câmeras de mão, agora são câmeras auriculares, drones, celulares e controles remotos que colocam tanta tecnologia em tela quanto sustos. Claro que no final tudo terá sido em vão e só terá servido para “registrar” os fatos, mas isso não deixa de ser algo a se perceber.

Se A Bruxa de Blair foi um marco, é natural que ainda esteja bem vívido na memória dos fãs. E é natural que sua(s) sequência(s) não seja(m) tão eficiente(s). Mas se deixarmos de lado o fato deste novo filme não ter a genialidade do primeiro, conseguimos nos divertir, levar sustos e até mesmo ficar com medo durante a história, que desta vez mostra um pouco mais, mas ainda assim deixa boa parte para nossa imaginação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s