Oscar 2020: Parasita e Coringa fazem história e Netflix é a grande perdedora da noite

Numa noite onde tudo corria dentro do previsto, a grande surpresa ficou mesmo para o final: Parasita fez o que parecia impossível e tirou o Oscar das mãos de Sam Mendes e de 1917.

Levando 4 dos principais prêmios da noite, Parasita fez história e se tornou o primeiro filme em língua não-inglesa a vencer o Oscar de melhor filme.

Quem também marcou foi Joaquin Phoenix que ganhou o previsto Oscar de melhor ator por seu desempenho em Coringa, se tornando o segundo ator a interpretar o personagem a ganhar um Oscar e o segundo a ganhar um Oscar de atuação por um personagem de HQ.

Já a grande perdedora da noite foi mesmo a dona Netflix, provando que Hollywood ainda tá no recalque com o streaming. O estúdio tinha 24 indicações ao todo, mais do que qualquer outro estúdio de Hollywood, e acabou saindo da festa com duas estatuetas: atriz coadjuvante (Laura Dern em História de Um Casamento) e o documentário Amerincan Factory. Mas quem fez feio mesmo foi O Irlandês, que chegou com 10 indicações e saiu sem nenhum prêmio.

O Irlandês foi o único dos 9 indicados a melhor filme que saiu de mãos abanando.

Vamos à lista completa dos vencedores (você pode conferir os posts individuais de cada categpria no nosso Instagram):

Melhor filme:

“Parasita”

Ator:

Joaquin Phoenix “Coringa

Atriz:

Renee Zellweger “Judy”

Ator coadjvante:

Brad Pitt, “Era uma Vez em Hollywood”

Atriz coadjuvante:

Laura Dern, “História de um Casamento”

Diretor:

Bong Joon Ho, “Parasita”

Filme de animação:

Toy Story 4”  Josh Cooley

Curta em animação:

Hair Love,” Matthew A. Cherry

Roteiro adaptado:

Jojo Rabbit,” Taika Waititi

Roteiro original:

“Parasita,” Bong Joon-ho, Jin Won Han

Fotografia::

“1917,” Roger Deakins

Melhor documentário:

American Factory,” Julia Rieichert, Steven Bognar

Melhor documentário curta metragem:

“Learning to Skateboard in a Warzone,” Carol Dysinger

Melhor curta em live action:

“The Neighbors’ Window,” Marshall Curry

Melhor filme internacional:

“Parasita,” Bong Joon Ho

Edição

“Ford v Ferrari,” Michael McCusker, Andrew Buckland

Edição de som:

“Ford v Ferrari,” Don Sylvester

Mixagem de som:

“1917”

Design de produção:

“Era uma Vez em Hollywood,” Barbara Ling and Nancy Haigh

Trilha sonora original:

“Coringa,” Hildur Guðnadóttir

Canção original:

“I’m Gonna Love Me Again,” “Rocketman

Cabelo e Maquiagem:

“O Escândalo”

Figurino:

“Adoráveis Mulheres,” Jacqueline Durran

Efeitos visuais:

“1917”

Um comentário em “Oscar 2020: Parasita e Coringa fazem história e Netflix é a grande perdedora da noite

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: