Resenha do site – Thor: Amor e Trovão

Taika Waititi é um cineasta curioso. A mesma mente que escreveu e dirigiu Jojo Rabbit, um dos melhores filmes das últimas décadas, é a mesma que escreve e dirige bobagens como What We Do in The Shadows e Nossa Bandeira é a Morte. E a mesma mente por trás de Thor: Amor e Trovão.

O humor de Waititi, brilhante e inteligentíssimo na sátira surreal de Jojo Rabbit, beira o infantil em piadas das séries citadas acima. No início de Amor e Trovão, uma cena entre Thor e o Starlord de Chris Pratt parece plagiada de uma produção de Adam Sandler, de tão ruim que é o diálogo e tão bestas que são as “piadas”. Temos a impressão de ver dois meninos de 7 anos discutindo.

No entanto, se você conseguir superar esta primeira parte, conseguirá se divertir depois. Uma explosão de cores e música, Amor e Trovão coloca Thor novamente ao lado de Jane, seu amor do passado. Jane está enfrentando um câncer em estágio 4 e descobre que ganha forças especiais ao portar o Mjolnir, o lendário martelo do deus nórdico. Mas ele cobra seu preço e a saúde de Jane piora a cada dia. Quando Gorr ameaça matar todos os deuses (inclusive Thor), o casal precisará se unir para enfrentá-lo.

LEIA MAIS

Resenha do site: Jojo Rabbit

Sony e Marvel planejam outra trilogia do Homem-Aranha com Tom Holland

Tenha sua própria playlist para te salvar do Vecna com ação promocional de Stranger Things e Spotify

Julia Roberts está pronta para destruir outro casamento na comédia romântica ‘Ingresso Para o Paraíso’ ao lado de George Clooney

‘Ghostbusters: Mais Além’ vai ganhar sequência no ano que vem

‘Austrália’ será relançado como minissérie

20 animações escondidas nos streamings que talvez você não conheça

Por que a Disney Brasil insiste nos mesmos erros nas dublagens das animações?

Kate Bush volta ao primeiro lugar das paradas com música em trilha de ‘Stranger Things’

*O Pausa Dramática é um site independente sem vínculos ou patrocínios. Nos ajude a permanecer no ar: compartilhe este post em suas redes e siga nossos perfis no InstagramFacebook e Twitter.

FAÇA PARTE DO GRUPO DO WHATS DO PAUSA DRAMÁTICA E RECEBA DICAS E CONTEÚDO DIRETO NO SEU CELULAR

Sem se alongar demais e deixando de lado as piadas nível quinta série do início, o longa consegue empolgar e divertir, especialmente nas cenas dos heróis contra Gorr. Com um elenco de peso que conta com Natalie Portman (Jane), Christian Bale (Gorr) e Russel Crowe (Zeus) e que às vezes acaba por não dar tempo de tela suficiente para alguns personagens (como Valquíria, que merecia mais em cena) e com mais representatividade LGBT que qualquer filme da Marvel (temos pelo menos três casais no filme, em especial a história de Korg), Amor e Trovão é melhor quando deixa de tentar ser uma comédia e mostra o embate, o significado da solidão, da perda e do amor.

Ah, o filme tem duas cenas pós créditos. Uma depois dos créditos principais e uma no final.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: